julho 2020


julho 2020

O primeiro semestre encerrou com queda significativa nos dados de inadimplência na comparação com o mesmo período do ano passado, muito em função de uma subnotificação por parte dos comerciantes. Julho manteve esta tendência, mas agora também em virtude do recuo nas vendas à crédito. 

 O indicador do Sistema de Proteção ao Crédito da Associação Comercial e Industrial de Londrina – ACIL, trabalha com dois grupos de consumidores: a) entrantes (restrição ao crédito) - aqueles que deixaram de pagar alguma conta e tiveram o nome incluído no cadastro de consumidores inadimplentes, e b) saintes (recuperação de crédito) - aqueles que estavam com o nome no cadastro de ‘restrição ao crédito’, mas negociaram suas dívidas e limparam o nome.

O número de consumidores que tiveram seu nome incluído no sistema de proteção ao crédito que havia fechado o primeiro semestre com queda de 35% na comparação com o mesmo período do ano passado, manteve esta tendência no mês de julho com 54% menos consumidores sendo ‘negativados’ em relação a julho de 2019.

Muito desta queda no percentual de pessoas que tiveram seu nome incluído no sistema de proteção ao crédito é devido ao significativo recuo nas vendas a crédito nos últimos três meses, fazendo recuar o total de consumidores que poderiam ficar sujeitos à inadimplência, simplesmente porque não compraram.

Por outro lado, quando analisado o percentual de clientes que conseguiram ‘limpar o nome’, pagando ou renegociando suas dívidas atrasadas, fica claro o efeito negativo na renda das pessoas causado pela pandemia. No mês de julho o número de consumidores que conseguiram sair da condição de inadimplente caiu 93% na comparação com o mesmo mês do ano passado, consequência direta do aumento no nível de desemprego.