12 de julho de 2021


12 de julho de 2021

12-07-2021_-_ECONOMIA_PARA_TODOS

Olá meus caros.  No mês passado foi sancionada a Lei Complementar 182/2021 conhecida como  ‘Marco Legal das Startups e do Empreendedorismo Inovador’ que passa a vigorar a partir de setembro e estabelece condições diferenciadas às startups, tanto no se refere a criação, investimentos e questões trabalhistas e tributárias.

Mas é fato que muitos de nós não tem claro o que são startups. A coluna de hoje dedico a esclarecer um pouco melhor as diferenças e semelhanças entre empresas tradicionais e Startups.

Tanto um empreendimento comercial nos moldes tradicionais quanto uma Startup, têm por objetivo a lucratividade e crescimento por meio do atendimento das demandas de um segmento ou nicho de mercado.

Ambas exigem estudos do mercado, conhecimento dos concorrentes, quem é seu público alvo, quem e como agem seus fornecedores e atenção às oportunidades e demandas do setor e qualquer uma delas vai exigir muita dedicação por parte do empreendedor.

Mas as empresas tradicionais atuam em mercados consolidados, disputam com empresas que atuam no mesmo ramo, buscam eficiência produtiva, e oferecem soluções já conhecidas, atuando em um regime de mercado concorrencial, mas de forma controlável.

Já uma Startup se propõe a oferecer uma solução inovadora, atuando em um mercado pouco explorado, com um produto cujas vendas precisam crescem em velocidades vertiginosas (escalabilidade), e que podem atender a uma gama grande de clientes (replicabilidade), muito até desconhecidos pela própria empresa.

Uma startup é uma empresa que desde o seu nascimento é projetada para escalar e crescer diante de uma oportunidade identificada, de uma tendência ou descoberta de uma solução para um problema.

Mas com produtos inovadores não há a certeza de sua aceitação no mercado, portanto uma Startup trabalha em um ambiente de incertezas e os riscos de fracasso são significativamente maiores que em empresas tradicionais. Vale lembrar que, mesmo tendo iniciado com uma proposta inovadora, as startups tendem a se tornar um negocio tradicional a medida que evoluem e seu produto se difunde no mercado.

Se uma Startup consegue emplacar sua proposta e consegue alcançar um preço de mercado acima de 1 bilhão de dólares, ela é chamada de ‘Unicórnio’.

No Brasil são exemplos de Startups que se transformaram em ‘Unicórnio’. O site de pagamentos on-line Pagseguro, o aplicativo de transporte individual 99, e a Fintech Nubank (fintech é um termo para designar empresas que prestam serviços financeiros com uso intensivo em tecnologia) a Arco Educação, que trabalha com softwares educacionais; o IFood, plataforma de entrega de comidas; a GYmpass Plataforma de acesso a academias e estúdios para atividades físicas; Quinto andar, Plataforma para aluguel de imóveis.

O marco Regulatório aprovado em junho será um grande incentivo para o desenvolvimento de Startups, pois traz mais segurança jurídica, incentivos ao desenvolvimento de inovações, e novas possibilidades de investimentos.  

Mas tenha em mente que abrir e gerir uma empresa seja dentro de um modelo tradicional ou como uma startup, é fundamental ter um conjunto de habilidades e conhecimentos, e entender o mercado e seu público. Caso contrário no lugar do ‘Unicórnio’ você terá uma ‘Mula sem cabeça’: desconhece os riscos, não sabe dizer que benefícios fornece; ignora para quem trabalha e não tem visão de futuro.


Pensa nisso.

Te vejo na próxima coluna e até lá, se cuida.