21 de setembro de 2020


A indústria nacional de transformação perde relevância tanto na economia doméstica quanto no mercado global, aponta relatório da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial - UNIDO.

Em 2010 O Brasil representava 2% da indústria mundial e em 2019 caiu para 1,19%, ocupando a 16ª posição no ranking de potencias industriais, ficando atrás de emergentes como Indonésia (10ª), México (11ª), Rússia (13ª) e Turquia (15ª)

Londrina vivenciou cenário tão dramático quanto. Para se ter uma ideia, a indústria representava em 2002 23,3% de nosso PIB caindo em 2017para 15,5%.   

Quem é a UNIDO ... 

A Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial – UNIDO, é a agência especializada das Nações Unidas que promove o desenvolvimento industrial.

..., o que faz...

Nos últimos anos a UNIDO assumiu um papel preponderante na agenda global de desenvolvimento industrial ao focar suas atividades na erradicação da pobreza, na globalização inclusiva e na sustentabilidade ambiental.

... e como faz.

Os serviços prestados pela a agência baseiam-se em dois focos: a) na geração e disseminação de conhecimentos relacionados à indústria, e; b) no fornecimento de apoio técnico e a implementação de projetos por meio de acordos de cooperação.

O papel da indústria...

O desenvolvimento industrial inclusivo e sustentável, segundo a UNIDO, é a principal fonte de geração de renda, permite aumentos rápidos e sustentados nos padrões de vida de todas as pessoas e fornece soluções tecnológicas para uma industrialização ambientalmente correta.

... apoiada na tecnologia e na inovação.

O progresso tecnológico é a base dos esforços para alcançar os objetivos ambientais, como aumento de recursos e eficiência energética. Sem tecnologia e inovação, a industrialização não acontecerá, e sem industrialização o desenvolvimento não acontecerá.

Corroborando esta fala...

Pesquisas realizadas pelo Núcleo de Pesquisas Aplicadas da UTFPR - NuPEA, mostram que em cidades paranaenses em que a indústria é mais presente, geram emprego e renda muito mais rapidamente.

... e na defesa de IBTs.

Observar que o que a UNIDO defende não é qualquer tipo de indústria. São indústrias de Base Tecnológica – IBTs, com profunda vocação para a inovação.

Por que Indústrias de Base Tecnológica?

Porque são intensivas no uso de capital intelectual ao invés de intensivas em recursos naturais, também são menos exigentes quanto a ocupação de grandes áreas, agregam valor a cada unidade processada e seu mercado é mundial.

Em outras palavras: é disso que Londrina precisa.    


Dr. Marcos J. G. Rambalducci, Economista, é Professor da UTFPR. Escreve às segundas-feiras.