15 de março de 2021


Em artigo publicado no livro O Brasil do amanhã (2018), Fernando Sarti, doutor em economia e professor da UNICAMP defende que uma Indústria forte, dinâmica e diversificada significa maior criação de bons empregos com melhores salários. 

É na competitividade sustentada em tecnologia e inovação que se assegura menor custo, melhor qualidade, maior agregação de valor e rentabilidade.

E isso é que garante uma inserção externa mais dinâmica e virtuosa nas cadeias globais de valor, com a geração de superávit estrutural na balança comercial, maior atração de investimento externo em setores de maior intensidade tecnológica e o fortalecimento e internacionalização de grupos econômicos nacionais.

Pouca coisa mais precisa ser dita para entender a importância a adoção de inovações para garantir a sobrevivência e êxito de nosso setor industrial.

A indústria brasileira definhou ...

Em relatório de 2020 da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (Unido), após ter alcançado 2% em 2010 de participação no mercado global, a indústria brasileira  vem encolhendo de forma consistente na última década e caímos para uma participação de 1,19% em 2019. 

... e a londrinense também.

Os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a participação da Industria no PIB de Londrina era de 23,3% em 2002 e encerrou 2018 representando tão somente 14,3% e não há indício nenhum que esta tendência tenha se revertido nos dois últimos anos.

Precisamos reverter este quadro ... 

São os investimentos em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) que podem promover nosso reingresso a esta nova revolução industrial que está em curso, com fortes impactos sobre o nível e a qualificação de emprego, a competitividade dos setores tradicionais e a criação de novos setores.

 ... e temos excelente oportunidade.

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII), organização social subordinada ao MCTI, lançaram na semana passada (10), o programa Rede de Inovação em Transformação Digital que contará com R$ 80 milhões a serem aplicados em processos de modernização da indústria.

A EMBRAPPI...

A EMBRAPII (Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) é uma Organização Social que, desde 2013, apoia instituições de pesquisa tecnológica fomentando a inovação na indústria brasileira.

... financiará e bancará...

Os R$ 80 milhões disponibilizados serão utilizados para financiar os projetos de empresas sendo que até 50% do valor total de cada projeto poderá ser não reembolsável, ou seja, a empresa não precisará pagar.  A expectativa é alavancar os recursos investidos e, em cinco anos, gerar mais de R$ 160 milhões em projetos de inovação.

... para distintos públicos...

Podem participar projetos de grandes e médias empresas, com Receita Operacional Bruta (ROB) maior que R$ 90 milhões, Projetos Cooperativos com duas ou mais empresas de diferentes portes, e Pequenas e Médias Empresas e Startups (empresas iniciantes com propostas inovadoras).

... com atenção especial às Startups.

Os projetos de PD&I de Startups  também contarão com contrapartidas para dispêndios com homologações ou certificações, provas de conceito, lotes piloto, registro de propriedade industrial, além de serviços de assessoria qualificada em inovação, design, modelagem de negócios.

A hora é agora.

Decisões públicas de fomento a PD&I são fundamentais e precisam ser calorosamente abraçadas pelas empresas. E não é inovação pela inovação – é questão de sobrevivência.   Consulte este link  https://embrapii.org.br para maiores detalhes.


Dr. Marcos J. G. Rambalducci, Economista, é Professor da UTFPR. Escreve às segundas-feiras.