02 de novembro de 2020


O Núcleo De Pesquisa Econômicas Aplicadas UTFPR/UEL divulgou sua pesquisa mensal da inflação da cesta básica de alimentos em Londrina revelando que no ano ela acumula alta de 19,1% e em relação ao mesmo mês do ano passado o aumento é de 37,3%.

Mas a inflação dos alimentos impacta de forma diferente famílias de alta e de baixa renda, sendo estas as que mais sofrem com estas seguidas altas.    

Famílias de diferentes faixas de renda ...

Estudo realizado pelo economista Walter Belik com o título ‘Estudos sobre a cadeia de alimentos’, publicado em outubro, analisou a participação de oito grupos de despesas entre famílias de diferentes faixas de renda, com base em dados oficiais de 2017 a 2020.  

... gastam mais com habitação... 

O estudo mostra que habitação é o tipo de despesa que mais compromete em todas as faixas de renda, mas significa 42,3% para famílias com renda de até 2 salários mínimos e 34% para famílias com renda acima de 25 salários.

... seguido por alimentação.

O segundo tipo de gastos mais expressivo é com alimentação. As famílias com renda de até 2 salários gastam o equivalente a 23,8% enquanto as de renda acima de 25 salários gastam 11,4% e consomem alimentos mais sofisticados.

Alta dos alimentos impacta os mais pobres...

Esses números ajudam a entender a razão da inflação dos alimentos impactar muito mais as famílias de renda mais baixa que aquelas com renda em estratos superiores.

... e a elevação foi expressiva.

Os três produtos recordistas de alta neste ano em Londrina, conforme a pesquisa do NuPEA são: o feijão (141%), seguido do óleo de soja (117%) e do arroz (107%) e, com exceção do café (com queda de 22,7%, todos os demais produtos tiveram alta acima de dois dígitos ao longo de 2020.

A cesta básica...

A cesta básica nacional de alimentos contempla 13 produtos, com algumas modificações dependendo da região do país, mas se constitui na chamada ração mínima, ou seja, a quantidade de alimentos necessário para atender as necessidades de um adulto por 30 dias.

... e de quanto seu aumento.

Em 1º de janeiro esta cesta básica em Londrina, poderia ser adquirida na média por R$ 401,20. Em outubro esta mesma cesta ficou em R$ 478,00 ou 19,1% mais cara.

Agora vejamos.

Para uma família típica de 2 adultos e duas crianças e renda de R$ 2.090,00 (2 salários mínimos), seriam necessárias 3 cestas básicas, o equivalente a preços de janeiro a R$ 1.203,60 ou 57,6% de sua renda.

Conclusão 1

A pesquisa de Walter Belik aponta que o gasto com alimentação para famílias de baixa renda é de 23,8% de sua renda. Como o valor da cesta necessária para sustentar uma família padrão é mais que o dobro disso, ou elas estão produzindo seu próprio alimento ou estão passando fome.

Conclusão 2

Supondo para efeito desta análise, que a inflação dos alimentos consumidos por famílias de renda mais baixa tenha sido a mesma que para os alimentos consumidos pelas famílias de rendas mais altas, a inflação do período tomou 11% da renda das famílias com renda de 2 salário, e somente 2,2% das famílias com renda de 25 salários.    


Dr. Marcos J. G. Rambalducci, Economista, é Professor da UTFPR. Escreve às segundas-feiras.